Sexta, 13 Novembro, 2020 - 15:46

COMUNICADO CONJUNTO OSC de 1.º Nível

Os últimos dias foram de uma grande mobilização do setor da caça, perante a incompreensível discriminação que a caça está a ser alvo relativamente a outras atividades que são permitidas em tempos de pandemia, e pela falta de coerência entre as permissões e as proibições. Agradecemos assim publicamente, a todos aqueles que manifestaram a sua incompreensão e descontentamento, aderindo nomeadamente à iniciativa que lançámos de envio de emails para os membros do Governo. A mensagem passou e foi entendida por quem nos governa.

Porém, o quadro negro que vivemos no País, ditou que no Conselho de Ministro de ontem não houvesse qualquer espaço para a reavaliação das exceções às atividades para as quais são permitidas deslocações nos concelhos onde existe o dever cívico de recolhimento domiciliário. Assim, o Primeiro Ministro informou ontem o País que a situação de agravamento da pandemia está a tomar proporções descontroladas, anunciando que já a partir de segunda-feira, serão adicionados mais 77 concelhos, totalizando 191 concelhos do continente.

No que concerne ao sector da caça, estamos seguros que os caçadores e agentes ligados ao sector da caça, individual e coletivamente, estão solidários e comprometidos em ajudar no esforço geral de combate à pandemia. Mas também estamos seguros que estão igualmente determinados em não aceitar discriminações injustificadas e injustas, como o provaram nos últimos dias, ao inundarem os gabinetes dos nossos governantes com milhares de emails de indignação.

Estando a situação a evoluir muito rapidamente de dia para dia, sabemos que durante o fim de semana irão ocorrer reuniões técnicas ao nível do Governo para apreciar e precisar quais as atividades que podem ou não ser realizadas, nos 191 concelhos do Continente.

O número de concelhos maioritariamente rurais aumentou muito substancialmente com este alargamento da lista, o que nos preocupa e deixa-nos muito alerta. No entanto, mantemos a nossa perplexidade de que se possa ir a um centro comercial ou assistir a um espetáculo, mas não se possa ir para o campo caçar, em isolamento social e muito maior segurança relativamente ao risco de contágio de Covid-19.

No âmbito dos contactos que hoje estabelecemos, nomeadamente com quem nos Tutela diretamente, a Secretaria de Estado da Conservação da Natureza, Florestas e Conservação da Natureza, mas igualmente o Ministério da Agricultura, tivemos a confirmação que estão empenhados em garantir a viabilidade da caça, assim tal seja possível. Propomo-nos assim fazer um ponto da situação com a tutela no início da próxima semana, já com mais informação.

A mensagem ontem transmitida pelo Governo, na pessoa do Senhor Primeiro Ministro, foi de um País à beira do abismo. Hoje mesmo sabemos que o número de camas de cuidados intensivos está à beira da ruptura. Numa altura destas, é tempo de demonstrarmos igualmente maior moderação perante aquilo que consideramos injusto.

Assim, não é o momento de avançar com outras iniciativas de protesto perante a injustiça que consideramos existir relativamente à caça, mas não deixamos de reafirmar que estaremos na primeira linha para o fazer, assim comecemos a ultrapassar o pico da segunda vaga que parece estarmos a atingir.

O sector da caça não descarta a tomada de outras medidas que consideremos necessárias, esgotadas as opções pelos canais institucionais, necessariamente no momento que consideremos ser necessário, possível e adequado.

Os presidentes das três OSC de 1º Nível

ANPC, CNCP e FENCAÇA


Acesso Restrito

Necessita registar-se para visualizar os anexos