Terça, 14 Maio, 2019 - 09:58

XXVII Encontro Nacional de Caçadores

No passado dia 05 de Maio de 2019, ocorreu mais um Encontro Nacional de Caçadores, organizado pela FENCAÇA englobado no programa oficial da EXPOCAÇA. Mais uma vez se demonstrou a unidade do sector, que ficou patente pela grande mobilização de caçadores no CNEMA em Santarém.

O encontro contou com a moderação da Jurista da FENCAÇA - Paula Simões. Os trabalhos foram organizados em quatro painéis:

I Painel - O painel mais técnico da manhã, onde se apresentaram estudos sobre os aspectos sanitários das espécies mais prementes no panorama cinegético em Portugal.

Mónica Cunha – INIAV – Coordenadora do Centro de Competências para o Estudo, Gestão e Sustentabilidade das Espécies Cinegéticas e Biodiversidade;

Margarida Duarte - INIAV – Projecto + Coelho e Mixamatose na Lebre;

Fernando Bernardo – DGAV - Director Geral de Veterinária – Peste Suína Africana;

II Painel – Espaço dedicado à visão de partidos com assento no parlamento português e europeu, sobre o mundo rural e a importância da actividade cinegética no mesmo.

Patrícia Fonseca – Deputada CDS – Parlamento Nacional

Nuno Serra – Deputado PSD – Parlamento Nacional

Nuno Melo – Eurodeputado CDS – Actual e Candidato ao Parlamento Europeu, intervenção realizada por mensagem vídeo.

João Dias – Deputado PCP – Candidato ao Parlamento Europeu

Álvaro Amaro – Autarca PSD – Candidato ao Parlamento Europeu

III Painel - Presidentes e/ou representantes de Municípios que usaram da palavra em defesa do Mundo Rural.

Álvaro Azedo - Presidente de Câmara de Moura

Luís Madeira - Vereador do Município de Mértola.

Jorge Nunes – Vereador do Município de Reguengos de Monsaraz

IV Painel – O painel que trouxe mais novidades ao encontro, Jacinto Amaro, Presidente da FENCAÇA, disse acreditar que será possível, no parlamento, travar medidas como a que acaba com a licença de uso e porte de arma no caso detenção de arma no domicílio. Salientou a presença dos deputados no encontro e a sua importância na luta ao lado dos caçadores, perante o Ministério da Agricultura, bem como o facto de, pela primeira vez, ter sido dada voz aos municípios do interior, neste encontro. Afirmou que questões como a perda de população e de serviços que o interior tem sofrido têm de motivar a criação de uma plataforma ampla que defenda as atividades que ainda se mantêm no território, como a caça, a pesca e as tradições, nomeadamente taurinas.

Miguel Freitas, Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, afirmou que o importante é a mensagem de que o setor da caça é “pacífico, desenvolve a sua atividade de forma ética e responsável”, esperando que, na discussão da lei na Assembleia da República, seja possível “encontrar a boa lei das armas para o país”. Referiu a importância da criação dos centros de competências, em particular o que é dedicado à caça e à biodiversidade, apresentado hoje durante o encontro, e anunciou que o setor vai estar associado à ideia da “multifuncionalidade da floresta”. “A caça é um setor da maior importância, do ponto de vista económico e social, mas é fundamental reforçar a ideia de atividade essencial nas questões do território, do ambiente e da biodiversidade”. Disse que a caça vai voltar a estar ligada à componente florestal e apelou para que não se “entrincheire” perante o discurso de “radicalização” dos que combatem o setor.

V Painel – Merecida homenagem, promovida pela FENCAÇA, ao Dr. Manuel Alegre pela sua intervenção na Defesa da Caça e das Tradições, apresentada pelo jornalista - José Manuel Barata Feyo, que dissertou sobre a vida do homenageado, nas suas vertentes pessoais, politica e de caçador.

No seu discurso, Manuel Alegre apelou aos caçadores para que se organizem “como força nacional” na defesa dos seus interesses, do mundo rural e do interior, pedindo que acabem com o “estereótipo do caçador, predador e marialva”, que conquistem a adesão de mulheres e de jovens e mostrem que os caçadores “são amigos do ambiente”. Dando eco às críticas que se fizeram ouvir ao longo de todo o encontro à proposta da Lei das Armas, também Manuel Alegre lamentou que esta olhe para os caçadores como sendo “inimigos da segurança” e “criminosos”.

Foram chamados a agraciar o homenageado, os representantes das três organizações do sector da caça de 1.º nível (Jacinto Amaro e Arlindo Cunha – Presidente e Vice-presidente da FENCAÇA; Vitor Palmilha e Castanheira Pinto – Presidente da Assembleia e da direcção da CNCP; António Paula Soares e João Carvalho - Presidente e secretário-geral da ANPC) e Miguel Freitas - Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural

Acesso Restrito

Necessita registar-se para visualizar os anexos